segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

adriana godoy


imagem: Josefe aka Hipnosapo/ flickr

hoje, a poeta de segunda é Adriana Godoy - www.driaguida.blogspot.com

mineira, de belo horizonte, adriana escreve e enquanto canta as dores e espanta os espantalhos, debruça-se sobre o cotidiano- e vê as nossas incoerências e inconsistências- desnuda os nossos medos e joga luz sobre as nossas buscas- nosso caminhar no mundo em meio a um caos desfigurado- nós a cada dia nos desconfiguramos como se fôssemos máquinas avariadas-
e nem sabemos mais para que lado atirar nossos torpedos.
nesses tempos de fraquezas, covardias, de metafísicas baratas, crenças inúteis, fadinhas fodas, gnomos industrializados e elementais que tais, adriana nos convida a crer no homem, no ser humano que gravita
entre a órbita de si próprio
e nas constelações alheias...
e vê discos voadores planando nos céus das bocas
e vê bocas que se grudam, buscando os céus
e sente o inferno pulsando, ao alcance dos dedos
e dos medos...
mineira, sabe das profundezas abissais dos nossos vales interiores
e das elevações místicas das montanhas das gerais...
mas é muito mais, esta poeta de hoje:
é a voz que canta os homens
e suas moradas diversas.


canto meio desesperado

me ensine a percorrer esses
caminhos sem sombras
me diz embora o dia nublado
e os homens cinzas
que a noite vem com estrelas

tenho as mãos secas de agonia
imploro para que preserve os meus olhos
esses ossos e o coração já vacilante
que a morte é certa mas não precisa ser agora

descobri que tenho me escondido em vão
e o meu grito se estende como uma estrada longa e sem volta

vejo em você o que não queria ver em mim
e me assusto sempre
então me mostre o que não sei
e deixe a marca de seu amor

me contamine
nesse dia
que essa febre não vai me matar
pelo menos hoje não


desde que você me disse que não acreditava em discos voadores

desde que você me disse que não acreditava em discos voadores
mesmo quando te contei que vi um enorme pairando sobre a minha varanda
fiquei pensando no que você acreditava
além desse medo católico e evangélico
de ser condenado ao inferno
não precisa disso, cara
você já está condenado ao inferno de viver
nesse cartesianismo barato regado a um deus que julga e condena
está condenado a acordar cedo todas as manhãs e trabalhar feito mártir
e esperar desesperadamente o final de semana para encher a cara
e poder falar as merdas que você fala e se achar o senhor da verdade
de entrar em seu carro de luxo e me convidar para desfrutar de sua companhia
talvez em um motel
e com seu perfume francês arrotar canalhices
não, cara
não quero mais ficar a seu lado
mesmo que suas mãos saibam os caminhos que me levam ao paraíso
quero ficar aqui com meus discos voadores e poesia
tomar vinho com amigos e escutar música de verdade
e não ficar ouvindo esses sertanejos de merda
que ficam nos cedês espalhados em seu carro
não vou te aceitar mais, cara
mesmo que sinta falta de seu beijo
na minha vida não cabe mais você

vejo-o fazendo café

trago a vida entalhada em contas papéis livros
lembro quando via sessão da tarde e a tarde não passava nunca
hoje as tardes passam e não vejo
a noite vem como o dia
a noite é a mesma
mesmo quando você vem e diz que me ama
então olho o homem que atravessa a rua
e está com flores na mão
o livro que li há dez anos
vai ser o mesmo se o ler hoje?
vejo-o fazendo café
e a minha angústia costurada em seu pijama
e a vontade desesperada de fugir

dessas noites em que estava lavando pratos

o detergente faz espuma na pia
os pratos ficando limpos no escorredor
os pensamentos sujos quero um cigarro
uma música um blues o céu escuro
meus gatos escondidos em silêncio

duas taças de vinho quase cheias
os pés no chão e pálidos
uma janela uma luz acesa do outro lado

as garrafas de vinho abertas e vazias
leio os rótulos e penso num poema
um inseto esquisito vindo de outro lugar
voa em torno das garrafas vai até a luz e volta
o tempo não tem pressa meus olhos o seguem

os pratos vão ficando limpos
as panelas ficam pra depois

pego uma taça e dou um gole
acompanho o blues num inglês ruim

o inseto se vai e bebo mais
olho a noite escura os pratos brancos
alguém me espera no sofá

estranho pensar no abandono de toda ambição

8 comentários:

  1. Pô, Danilo! Muito especial, fico sem palavras...Não sou tudo isso que vc disse, mas gostei muito e agradeço. Valeu, grande poeta. Beijão.

    ResponderExcluir
  2. Olá Danilo, aprecio muito a escrita despojada, singular e marcante da Adriana e a sua homenagem faz jus ao talento e sensibilidade dela. Um abraço.

    Úrsula Avner

    ResponderExcluir
  3. PARABÉNS, DANILO!

    Uma das nossas melhores poetizas. Verdadeira, franca, gente como a gente, real mesmo. O que tem que falar fala sem enfeitar com borboletas.

    Sou fã nº1 dessa menina linda que amo como irmã!


    Beijos aos dois!

    Mirze

    ResponderExcluir
  4. ótima a seleção... e grande a poeta!

    ResponderExcluir
  5. Parabéns, Danilo. A Adriana está de dorpo inteiro aí. E de alma. Com sua força contagiante.
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  6. Danilo,
    linda homenagem. A Adriana é a poeta completa, arrojada, intrigante, contagiante e cortante. Diz tudo que nós, pobres seres humanos, não temos nem a ousadia de pensar e, ela, faz poesia.
    Um abraço.

    ResponderExcluir